Conheça os pequenos marrons da Mata Atlântica

Geralmente as pessoas enchem os olhos com as cores vibrantes da arara-canindé (Ara ararauna), e o longo bico do tucano-toco (Ramphastos toco) impressiona de longe. Mas poucos se dão conta da importância das aves pequenas e marrons para a Mata Atlântica, com seu charme menos súbito.

E aqui no Parque não é diferente! Tradicionalmente os visitantes sempre foram atraídos por suas aves coloridas e exuberantes, porém os pequenos marrons da Mata Atlântica também são de grande destaque no decorrer do passeio.

Macuco (Tinamus solitarius)

Somos o segundo atrativo mais visitado de Foz do Iguaçu depois das Cataratas e atualmente focamos nossos esforços na conservação dessas aves, carinhosamente apelidadas de “pequenos marrons”, além de proporcionar maneiras dos visitantes descobrirem seus encantos.

Durante a visita pela trilha do Parque, você tem acesso a informações sobre essas aves para lembrar da importância que possuem na natureza e de como vêm sofrendo com o desmatamento e a caça. Por isso que, o antigo “Viveiro Floresta”, agora foi rebatizado de “Os Pequenos Marrons”.

Mutum-de-penacho (Crax fasciolata) fêmea

A Mata Atlântica abriga espécies como macucos, perdizes, jacus, pequenos passarinhos e outros animais cor de terra. Esse bioma, em geral tão colorido, também abriga animais que, apesar de não chamarem muita atenção, têm uma grande importância ecológica e contribuem para a manutenção da cadeia alimentar ao servir de alimento para outros animais.

Essas espécies vivem geralmente no chão da floresta e muitas não voam em grandes alturas e precisam se camuflar para se protegerem dos predadores, por isso suas cores se confundem com as folhas secas, como bege, marrom, cinza e outros tons mais escuros.

Mutum-de-alagoas (Pauxi mitu)

Porém, é mais difícil arrecadar recursos para trabalhar projetos de pesquisa e conservação voltados para aves marrons ou cinzentas. Esse é um dos fatores da extinção dessas espécies. Por isso nosso papel é tão importante, chamando a atenção das pessoas para essas aves, os riscos que correm, e como se pode agir para salvá-las.

Pequenos marrons correm perigo

O conceito dos “pequenos marrons” diz respeito a como os seres humanos se relacionam com essas aves, que não chamam tanta atenção como as coloridas, mas que necessitam do nosso cuidado por serem muito importantes ecologicamente.

Jacutinga (Aburria jacutinga)

Por não serem “tão carismáticos”, boa parte das espécies pequenas e marrons da Mata Atlântica estão ameaçadas de extinção, e muitas vezes sofrem pela falta de proteção, em comparação a outras mais chamativas. Porém, essas espécies são muito importantes e têm diversos papeis ecológicos, como serem disseminadoras de sementes, predadores ou fazer parte da base da cadeia alimentar de outros animais.

Jacupemba (Penelope superciliaris)

O desaparecimento de qualquer espécie sempre têm consequências para a sobrevivência de várias outras. Por isso, é fundamental pensarmos que a importância de uma espécie não se relaciona com a sua beleza ou carisma, e que devemos preservar todos.