A ciência de comer bem – a arte de nutrir as aves

Por: Henrique Tavares, chefe da Divisão de Nutrição Animal do Parque das Aves.

O sucesso dos programas de conservação está diretamente relacionado a uma alimentação correta. Aves bem nutridas, são mais fortes, mais saudáveis, têm melhor imunidade, maior resistência a doenças e atingem maiores índices reprodutivos, aumentando suas chances de sobrevivência e de preservação da espécie.

Sabendo desta importância, diariamente no Parque das Aves são elaboradas mais de 3 mil refeições para as aves dos mais variados hábitos alimentares e particularidades digestivas. As aves sob os nossos cuidados consomem aproximadamente 40 toneladas de rações e 60 toneladas de vegetais, carnes, ovos e suplementos. Um magnífico banquete!

Henrique Tavares, chefe da Divisão de Nutrição Animal do Parque das Aves, junto com um tucano-de-bico-verde (Ramphastos dicolorus)

Para conseguirmos alimentar todas elas, temos que ter uma perfeita “linha de montagem” para a elaboração e controle de qualidade de todas estas dietas. Para isso contamos com a Divisão de Nutrição Animal (DNA), que trabalha em todo o processo de controle nutricional, garantindo o balanceamento das dietas e as condições sanitárias dos alimentos oferecidos aos animais.

Possuímos uma cozinha moderna e bem equipada, que permite não apenas o preparo de cada alimentação, mas também facilita as boas práticas de higiene e favorece a segurança alimentar.

Cozinha onde os alimentos das aves são preparados

Todos os dias fórmulas e prescrições de dietas saem do computador do zootecnista diretamente para os tablets da Cozinha das Aves. A equipe então recebe em tempo real as planilhas de alimentação com informações sobre o preparo, manipulação, separação, quantidades e identificação correta das refeições que serão encaminhadas às diversas espécies de aves e recintos. E essa é apenas uma parte de um longo caminho que vai desde o recebimento dos alimentos, balanceamento das dietas, manipulação das bandejas até a distribuição diária nos comedouros das aves.

Tablet usado na cozinha com as planilhas de dietas das aves

Para formulação das dietas, o zootecnista efetua um estudo da necessidade nutricional, considerando principalmente os hábitos alimentares e a composição de nutrientes dos alimentos consumidos na natureza por cada espécie de ave. Após o estudo são determinados os alimentos, e então realizados os cálculos das dietas (valor calórico, de nutrientes e porções diárias em gramas) para elaboração das fichas nutricionais. Essas fichas são encaminhadas para os colaboradores dedicados exclusivamente às atividades de manipulação de alimentos.

Jandaia-verdadeira (Aratinga jandaya) se alimentando

O planejamento da dieta pode ser alterado por meio de observações dos tratadores responsáveis por cada animal ou sempre que necessário atendendo as necessidades individuais das aves. O requerimento de energia e nutrientes pode variar dependendo do estado do animal, período reprodutivo, seu crescimento, demandas climáticas, tratamento médico veterinário, entre outros. O fornecimento da dieta balanceada é essencial ao bem-estar animal, melhora da saúde geral, crescimento saudável, sucesso reprodutivo e maior longevidade das aves.

Canário-da-terra (Sicalis flaveola brasiliensis) se alimentando

Uma nutrição adequada é também, fator determinante para um correto desenvolvimento do filhote e propicia condições para uma excelente saúde geral e desempenho futuro. Uma nutrição inadequada, com excesso ou deficiência de nutrientes pode resultar em alterações fisiológicas, predispondo o organismo das aves sérios problemas, como o incorreto desenvolvimento corporal e constituição óssea, obesidade, além de alterações metabólicas e reprodutivas.

Uma boa alimentação é responsável pelo crescimento saudável de um filhote

A Divisão de Nutrição Animal desde sua criação trabalha no estabelecimento de um processo de controle nutricional e de garantia de produção de alimentos e dietas inócuas, dentro dos padrões de conformidade, cumprindo o que determina todas as legislações nacionais e internacionais referentes à alimentação animal, garantindo segurança do ponto de vista higiênico e sanitário nos alimentos oferecidos aos animais sob nossos cuidados. Por este motivo, no ano de 2017 foi instituído oficialmente o Programa de Nutrição Animal e Segurança Alimentar do Parque das Aves, no qual são incorporadas técnicas para atender todos requisitos legais para um Sistema de Garantia da Qualidade com o objetivo de obtermos alimentos sanitariamente aptos e seguros para o consumo dos animais.

Potes com diversos alimentos oferecidos para as aves

Este ano a Divisão de Nutrição Animal foi 100% reformada, com a troca de todas as instalações e equipamentos da cozinha das aves para um material considerado nobre, o aço inoxidável AISI 304, que possui uma série de características positivas, como durabilidade, resistência contra a umidade, oxidação, impacto e ao calor. Possui maior facilidade para limpeza, pois a sujeira e a gordura não são absorvidas pelo inox. Além da sustentabilidade, pelo fato de ser totalmente reciclável.

André, encarregado da Cozinha das Aves

A utilização deste aço inoxidável como forma de prevenir uma eventual proliferação de bactérias na cozinha das aves, vai além do material em si. A utilização de bancadas, pias, armários, gavetas e refrigeradores de inox faz com que não se crie possíveis depósitos de bactérias, uma vez que estruturas de inox não apresentam buracos, rachaduras ou fendas. Além disso, órgãos sanitários nacionais e internacionais indicam a utilização deste tipo de material por oferecerem maior segurança quando em contato com o alimento, não transmitindo substâncias tóxicas, contaminações, odores ou gosto.

Detalhe da Cozinha das Aves depois da reforma

Esta reforma da DNA permitiu uma execução efetiva das Boas Práticas de Manipulação (BPM), ou seja, procedimentos que garantem a qualidade higiênico-sanitária dos alimentos em conformidade a legislação sanitária. O cuidado com a limpeza, compreende as operações de higienização do piso, paredes, teto, luminárias, interruptores e tomadas, todos os equipamentos, bancadas de trabalho e utensílios sendo realizadas frequentemente, no início do trabalho, depois do uso do utensílio, equipamento, bancada; quando manipulamos outro tipo de alimento para prevenir contaminação cruzada; com intervalos periódicos se os utensílios estiverem em uso constante; sempre que notamos alguma sujidade ou contaminação e no final de cada jornada de trabalho.

Para um melhor monitoramento das atividades higiênico-sanitárias internas, possuímos um conjunto de Procedimentos Operacionais Padronizados (POP’s), escritos de forma objetiva que estabelecem instruções sequenciais para a realização de operações rotineiras da DNA e específicas na manipulação de alimentos, conforme exigências legais dos órgãos competentes.

Depósito de rações e grãos

Os POP’s contribuem para a garantia das condições higiênico-sanitárias e favorecem a segurança e inocuidade de todos os alimentos, condições estas necessárias ao processamento e manipulação das dietas para nossos animais silvestres. Os manipuladores de alimento executam diariamente antissepsia, operação que visa a redução de microrganismos presentes na pele em níveis seguros. A circulação de visitantes ou funcionários na DNA é restrita e controlada para evitar contaminações dos produtos.

Mutum-de-penacho (Crax fasciolata) se alimentando

Esta nutrição de precisão e a aplicação destas práticas sanitárias rígidas que buscam a segurança de alimentos como requisito de qualidade, garante um bom nível de saúde das aves e o pleno exercício de seu comportamento natural e atividade reprodutiva, contribuindo assim, de forma efetiva, para a conservação das espécies em risco de nossa Mata Atlântica.