Sustentabilidade todos os dias no Parque das Aves

Como uma instituição que trabalha pela conservação das espécies, a sustentabilidade é nossa prioridade todos os dias.

Desde que surgimos, em 1994, nossas atividades já nos permitiram contribuir muito para a conservação de diversas espécies. E temos muito orgulho disso!

Assim, ao longo de 27 anos, reabilitamos e abrigamos milhares de aves vítimas de maus-tratos, tráfico e outras situações de risco. Inclusive, muitas delas estavam aptas à retornar para a natureza por meio de operações de reintrodução realizadas em parceria com órgãos ambientais.

Conforme nossa propriedade, nossa equipe e nossa operação foi crescendo, a nossa responsabilidade socioambiental também se ampliou!

Ser uma instituição que trabalha pela conservação de espécies exige muito comprometimento em relação às ações de sustentabilidade.

Assim, permitimos que exista coerência entre a missão da instituição e as práticas diárias. Afinal, nosso compromisso é com a Mata Atlântica!

Todos os dias, trabalhamos pela conservação das espécies de Mata Atlântica – e tornar a nossa operação cada vez mais sustentável tem tudo a ver com cumprir essa missão! Foto: Equipe do Parque das Aves.

Sustentabilidade faz parte da rotina

A sustentabilidade sempre foi uma prioridade… e faz parte da nossa rotina!

Uma mudança sustentável que decidimos incluir em toda a nossa trilha foi oferecer água potável gratuita, evitando poluição plástica por garrafas e copos descartáveis. Afinal, recebemos quase 1 milhão de visitantes anualmente!

Em nossa loja, trocamos as sacolas e embalagens feitas de plástico pelas de papel. Além disso, damos preferência para produtos artesanais, naturais, ecológicos ou de fornecedores locais, o que reduz a pegada de carbono e amplia o impacto socioambiental positivo.

Além disso, também adotamos pilhas recarregáveis nos escritórios e eliminamos milhares de impressões desnecessárias todos os dias, usando comunicação visual (como placas físicas no lugar de mapas de visitação impressos) ou digital (como informações atualizadas em TVs, em nosso site ou em tablets para uso interno).

O uso de tablets na Divisão de Nutrição Animal permite que as quantidades de alimentos de cada espécie saiam do computador do zootecnista, técnico que calcula a dieta dos animais, e cheguem direto aos responsáveis por preparar as refeições das aves, eliminando incontáveis impressões desnecessárias. Foto: Equipe do Parque das Aves.

Cuidados com os resíduos

Para cuidar de nossos resíduos, tomamos várias atitudes diferentes!

Uma delas é minimizar a geração de resíduos substituindo canudos, copos, pratos, talheres e palitos de plástico descartável por opções de papel ou de madeira, que geram menor impacto ambiental na fabricação e podem ir para a nossa composteira!

Resíduos de refeições podem gerar menor impacto quando são feitos de papel ou de madeira. Aqui no Parque das Aves, esses resíduos vão para a compostagem. Foto/Reprodução: Click Foz do Iguaçu.

Inclusive, usamos potes de vidro para servir alguns dos alimentos, que podem ser reutilizados novamente após higienização, evitando a geração de resíduos. Bacana, né?

Além disso, disponibilizamos lixeiras para separação de resíduos sólidos, em todas as áreas internas e externas do Parque das Aves. Quando esses resíduos são coletados, realizamos o encaminhamento dos resíduos para a coleta seletiva, já separados pelos colaboradores e visitantes.

Os canudos de papel foram um dos primeiros resíduos que substituímos por opções biodegradáveis. Foto: Equipe do Parque das Aves.

Fazendo compostagem todos os dias

No Parque das Aves, separamos e destinamos adequadamente 100% dos nossos resíduos (rejeitos, recicláveis e orgânicos). Inclusive, todos os dias fazemos a compostagem de cerca de 150 quilos de resíduos orgânicos, dentro do próprio Parque! Esses resíduos são provenientes de sobras de alimentação de mais de 1.300 animais, mais de 200 colaboradores e centenas de visitantes.

Em resumo, a operação de compostagem tem quatro etapas. Primeiro, os resíduos orgânicos são colocados em barris feitos de tela. Depois, são misturados com matéria seca, como palhas e serragem, para evitar a proliferação de insetos e mau cheiro. Em seguida, a aeração do composto é controlada (já que a temperatura pode chegar até 55°C!). Por fim, é adicionado um acelerador de compostagem, para agilizar o processo.

Agora, é só esperar: depois de seis meses, o composto produzido está pronto para ser usado como adubo nos jardins e plantios de árvores pela trilha do Parque das Aves!

Encaminhando materiais especiais

Da mesma forma que cuidamos dos resíduos orgânicos, nós também separamos e fazemos o encaminhamento adequado de lixo eletrônico e lâmpadas fluorescentes.

Além disso, realizamos a coleta do óleo de cozinha em nossas cozinhas e vendemos para uma empresa de Campo Mourão (PR), evitando poluição aquática na bacia do Iguaçu, e enviamos os resíduos de papel para uma empresa especializada, em Foz do Iguaçu.

Por fim, doamos papelão e de garrafas PET para a Cooperativa dos Agentes Ambientais de Foz do Iguaçu (COAAFI), visando geração de renda para os catadores membros.

Ficou interessado em sabe detalhes sobre o nosso processo interno de gestão de resíduos? Então, clique aqui!

Plantando sustentabilidade, colhendo saúde e sabor

A alimentação dos colaboradores e visitantes é um ponto essencial para promover a sustentabilidade no Parque das Aves.

Em nosso restaurante Sabores da Floresta, onde você pode fazer sua refeição em meio à Mata Atlântica, oferecemos diversas refeições saudáveis e sustentáveis. De fato, muitos dos pratos contém vegetais e PANCs (Plantas Alimentícias Não-Convencionais) produzidos sem agrotóxicos em nossa própria horta. Assim, servimos comida fresquinha, nutritiva e deliciosa!

Vanderlei, do time de Nutrição Animal, colhendo as plantas que cultivamos sem agrotóxicos em nossa horta. Elas podem alimentar tanto colaboradores e visitantes como os animais sob nossos cuidados. Foto: Equipe do Parque das Aves.

Além disso, oferecemos refeições vegetarianas e veganas que reduzem a pegada ecológica do cardápio, como saladas deliciosas com mix de sementes e parmesão vegano, hambúrguer de cogumelos e até a granola vegana que vai no nosso açaí!

Salada do Bem, uma das opções veganas e com PANCs (Plantas Alimentícias Não Convencionais) que oferecemos no Parque das Aves. Foto: Equipe do Parque das Aves.

Trocas sustentáveis

Como parte do nosso comprometimento com a sustentabilidade, fizemos diversas trocas no restaurante. Por exemplo, substituímos ingredientes importados por opções nativas, locais e sazonais, que geram menos emissões de carbono durante o transporte.

Também substituímos os ingredientes industrializados por versões artesanais/caseiras, que são mais saudáveis e geram menos descarte de embalagens. Por exemplo, trocamos a batatas fritas industrializadas por mix de batatas (mandioquinha, batata doce e batata inglesa) totalmente natural e feito aqui mesmo.

Além disso, produzimos artesanalmente nosso mix de castanhas, ketchup, molho de hortelã, molho golf e geléia de abacaxi com pimenta, evitando o uso diário de centenas de sachês unitários e o descarte excessivo de embalagens de produtos industrializados!

Por fim, nossas refeições contém somente palmitos que crescem rapidamente e nunca incluem o palmito de palmeira-juçara, árvore da Mata Atlântica ameaçada de extinção, cuja extração do palmito leva à morte da árvore.

Mimi, uma das jacutingas que enviamos para soltura na floresta, pousada próximo à frutos da palmeira-juçara, seu alimento. Sabemos que essa planta é essencial para os animais da Mata Atlântica e, portanto, não usamos esse tipo de palmito, ameaçado de extinção, em nossas cozinhas. Foto: Equipe do Parque das Aves.

Ficou curioso? Então, veja nosso cardápio completo aqui! Há ícones indicando quais refeições são vegetarianas, veganas ou feitas com PANCs.

Sabor de Mata Atlântica

Um ótimo exemplo de sustentabilidade é a nossa linha exclusiva de picolés e sorvetes com frutas nativas ou cultivadas na Mata Atlântica, criados em parceria com um fabricante local, a Oficina do Sorvete.

O objetivo da linha Sabores do Iguaçu é criar demandas para agricultores familiares e de agrofloresta, contribuindo efetivamente com o meio ambiente. De fato, a ideia recebeu o primeiro lugar em um Prêmio de Inovação em Sustentabilidade!

A maior parte dessas frutas, altamente nutritivas, vem de produtores que utilizam a técnica da agrofloresta, na qual os alimentos são plantados debaixo da proteção natural da floresta. Assim, ao invés de explorar a natureza, conseguimos recuperá-la!

Inclusive, os picolés também respeitam o ciclo natural das estações, com sabores que seguem a sazonalidade de cada fruta. Além disso, esses sabores locais ajudam a divulgar a identidade gastronômica da tríplice fronteira.

Deliciosos picolés produzidos com plantas cultivadas na região do Iguaçu. Foto: Equipe do Parque das Aves.

E ´é claro que usar pedacinhos de floresta como ingredientes principais só podia resultar em sabores deliciosos. Aqui, você encontra opções exclusivas como pitanga, uvaia, amora, açaí de juçara, pinhão, butiá, erva-mate, jabuticaba, guabiroba, mbeju com goiaba… entre outras! Já ficou com água na boca?

O Parque das Aves possui uma linha exclusiva de picolés e sorvetes feitos com ingredientes nativos da Mata Atlântica, produzidos com técnica de agrofloresta pela agricultura familiar. Foto: Equipe do Parque das Aves.

Construindo em meio à mata

Durante a criação dos recintos e trilhas do Parque, imerso em 16 hectares de Mata Atlântica restaurada, já plantamos e poupamos milhares de árvores nativas.

Para isso, incontáveis embaúbas, canjeranas e outras plantas nativas desse bioma foram plantadas, protegidas ou translocadas pela nossa equipe na propriedade. Assim, essas árvores alimentam os animais, abrigam a fauna local, oferecem sombra e encantam o nosso olhar!

Embaúbas, uma das muitas árvores nativas de Mata Atlântica que plantamos no Parque das Aves. Foto: Equipe do Parque das Aves.

Por isso, não se espante se houver uma árvore bem “no meio do caminho”, com uma plataforma que desvia completamente da direção normal para passar ao redor dela! Inclusive, sempre que possível, instalamos cercas ao redor e acima das árvores, ao invés de cortá-las.

Por exemplo, pense no viveiro Cecropia: um dos maiores recintos de imersão da América Latina, com 28 metros de altura e 66 metros de comprimento no lado que abriga os periquitos, além de 32 metros de altura e 66 metros de comprimento no lado dos tucanos.

De fato, não é nada fácil criar um recinto tão grande sem cortar nenhuma árvore! No entanto, nos preocupamos em construir as estruturas ao redor de árvores altíssimas e com copas imensas, evitando ao máximo o corte.

No recinto Cecropia, é muito fácil de ver o modelo de construção do Parque das Aves: sempre que possível, instalamos cercas e estruturas ao redor e acima das árvores, ao invés de cortá-las. Foto: Equipe do Parque das Aves.

Ainda falando de infraestrutura, também utilizamos filtros biológicos para manter a água dos animais e dos lagos limpinha sem usar produtos químicos!

Envolvimento direto com a conservação da natureza

Em 27 anos de história, reproduzimos dezenas de espécies ameaçadas de extinção, conforme as diretrizes de programas e projetos de conservação oficiais.

Além disso, desde 2017, temos o compromisso em oferecer abrigo a 100% das 120 espécies de aves ameaçadas da Mata Atlântica, sendo que 93% das aves que o visitante observa no passeio são nativas desse bioma.

Por fim, conseguimos certificação nacional e latino-americana em bem-estar animal, assegurando nosso compromisso com os animais sob nossos cuidados.

Desde 1997, nós também patrocinamos ativamente ações, materiais, profissionais e projetos relacionados com conservação de aves.

Inclusive, criamos o Instituto Claravis especificamente para isso!

Ficou curioso para saber mais? Então, clique aqui para descobrir 5 parcerias que já fizemos para salvar aves da Mata Atlântica!

Desde 2017, temos o compromisso em abrigar, proteger e conservar as aves da Mata Atlântica. Foto: Equipe do Parque das Aves.

Em harmonia com os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável

Devido a todas essas ações de sustentabilidade, nos identificamos com vários Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, em especial os ODS 12 (Produção e Consumo Sustentáveis), ODS 13 (Combate às mudanças climáticas) e ODS 15 (Vida Terrestre).

ODS 12 (Produção e Consumo Sustentáveis)

Sentimos que estamos ajudando a cumprir os itens desse ODS que falam em alcançar a gestão sustentável e o uso eficiente dos recursos naturais.

Também tentamos melhorar o manejo dos produtos químicos e todos os resíduos, reduzindo significativamente sua liberação no ar, água e solo, para minimizar impactos negativos sobre a saúde humana e o meio ambiente.

Inclusive, nos sentimos contemplados no item sobre redução substancial de geração de resíduos por meio da prevenção, redução, reciclagem e reúso.

Além disso, promovemos o turismo sustentável, que gera empregos, promove a cultura e os produtos locais.

E, é claro, nossos times de Educação Ambiental e de Comunicação ajudam a garantir que mais pessoas, de todos os lugares do Brasil e do mundo, recebam informações sobre estilos de vida em harmonia com a natureza!

ODS 13 (Combate às mudanças climáticas)

Para esse ODS, sentimos que estamos contribuindo com a redução de emissões totais de gases de efeito estufa, além de melhorar a educação sobre as mudanças do clima, por meio das nossas atividades educativas e de comunicação.

ODS 15 (Vida Terrestre)

Por fim, ajudamos a assegurar a conservação e uso sustentável de ecossistemas terrestres, em especial florestas. Além disso, promovemos a gestão sustentável de florestas, inclusive por meio do reflorestamento da nossa área de Mata Atlântica.

Também tomamos medidas urgentes e significativas para reduzir a degradação de habitat naturais, deter a perda de biodiversidade e evitar a extinção de espécies ameaçadas. De fato, atuamos em ações para acabar com a caça ilegal e o tráfico de espécies da flora e fauna.

Inclusive, mobilizamos e aumentamos os recursos financeiros para a conservação da biodiversidade e dos ecossistemas!

Afinal… quais ODS você sente que tem a ver com o Parque das Aves?

Conheça de perto essas ações sustentáveis

Em em sua próxima visita a Foz do Iguaçu, que tal visitar o Parque das Aves, conhecer as aves da Mata Atlântica e ver essas ações de sustentabilidade ao vivo? Inclusive, estamos em frente às Cataratas do Iguaçu! Veja mais detalhes sobre a visita aqui.

O Parque das Aves é um espaço de conexão única com as aves da Mata Atlântica.
Foto: Equipe do Parque das Aves.
Como você se sentiu com este conteúdo?
+1
0
+1
3
+1
0
+1
0
+1
0
+1
0
+1
0