Conheça as aves símbolos dos 17 estados brasileiros da Mata Atlântica

Em 2002, o sabiá-laranjeira (Turdus rufiventris) foi escolhido como ave símbolo brasileira, justamente por ocorrer em grande parte do território brasileiro e por estar presente na cultura e no folclore de diversas regiões. Afinal, como bem diz o escritor Gonçalves Dias em sua “Canção de Exílio”: “minha terra tem palmeiras onde canta o sabiá”.

A Mata Atlântica está distribuída por 17 estados brasileiros e cada um deles possui uma ave símbolo! Vamos conhecê-las?

Mapa com as aves símbolo dos estados brasileiros
Fonte: Ornithos

Região Nordeste

1 – Rio Grande do Norte: Ema (Rhea americana)

A ema é a maior ave do Brasil, podendo medir até 1,40 metros de altura! É uma ave onívora, que se alimenta de frutas, sementes, insetos e pequenos animais, e come algumas pedras para ajudar a triturar os alimentos. Durante a época reprodutiva, as emas vocalizam muito alto e o macho chama a atenção das fêmeas por meio de uma dança. Quando os ovos estão no ninho, quem incuba é o macho. E cada ninho pode conter mais de 10 ovos!

Foto de uma ema com seus filhotes
Ema, ave símbolo do estado do Rio Grande do Norte. Foto: Antonino Gonçalves Medina, retirada do WikiAves
2 – Paraíba: Pomba-de-bando (Zenaida auriculata)

A pomba-de-bando, também conhecida como avoante, foi escolhida como ave símbolo do estado da Paraíba para trazer notoriedade a essa ave, uma forma de evitar que essa ela fosse extinta por conta da caça.

Pode ser encontrada em todas as regiões do Brasil e por se adaptar com facilidade às áreas agrícolas e de pecuária, sua população aumentou. A espécie se alimenta de grãos e brotos, se reproduz facilmente e bota de 2 a 3 ovos nos seus ninhos construídos com galhos.

Foto de uma pomba-de-bando
Pomba-de-bando, ave símbolo do estado da Paraíba. Foto: Saulo Gomes, retirada do WikiAves
3 – Ceará: Jandaia-verdadeira (Aratinga jandaya)

A jandaia-verdadeira é a ave símbolo do estado do Ceará. Ela se alimenta de sementes, castanhas e frutos, como os da jabuticaba e do palmito-juçara. Seus ninhos são feitos em ocos de árvores e a espécie pode botar de 3 a 4 ovos, que são cuidados pela fêmeas enquanto o macho fica responsável por buscar alimentos.

Foto de três jandaias-verdadeira se alimentando
Jandaia-verdadeira, ave símbolo da estado do Ceará
4 – Piauí: Surucuá-de-barriga-vermelha (Trogon curucui)

O surucuá-de-barriga-vermelha é a ave símbolo do estado do Piauí. Pode medir até 25 centímetros e pesar de 40 a 60 gramas. O macho tem as penas da cabeça azuis, enquanto a fêmea possui as penas da cabeça cinzas. Sua calda é listrada de branco e preto. A ave se alimenta dos frutos da embaúba (Cecropia), de pequenas lagartas, besouros, cigarras e aranhas. Tem hábito de fazer seus ninhos em cupinzeiros que ficam em cima das árvores.

Foto de um surucuá-de-barriga-vermelha empoleirado em um galho de uma árvore
Surucuá-de-barriga-vermelha, ave símbolo do Piauí. Foto: Gilvan Moreira, retirada do WikiAves
5 – Bahia: Curió (Sporophila angolensis)

O curió é a ave símbolo do estado da Bahia, mas pode ser encontrado em todo o Brasil, em florestas, pântanos, brejos e clareiras. Comem insetos e capim-navalha (tiririca). Infelizmente, os curiós são alvo de traficantes, que querem capturar os animais para vender ilegalmente.

Foto de um curió empoleirado em um galho de uma árvore
Curió, ave símbolo do estado da Bahia
6 – Pernambuco: Tesourão (Fregata magnificens)

O tesourão mede cerca de 90 centímetros e suas asas têm mais de dois metros de envergadura! O macho possui um papo vermelho, o que o diferencia da fêmea, com seu peito branco.

Foto de um tesourão sobre um gramado
Tesourão, ave símbolo do estado de Pernambuco. Foto: Renato Grimm, retirada do WikiAves
7 – Alagoas: Mutum-de-alagoas (Pauxi mitu)

O mutum-de-alagoas é uma ave extinta na natureza desde da década de 70. A espécie era encontrada somente em uma pequena área de Mata Atlântica no estado de Alagoas, que desapareceu por completo para o plantio de cana-de-açúcar de forma desordenada. Devido ao desmatamento da área onde vivia e a intensa caça predatória, o mutum desapareceu da natureza.

Foto de um mutum-de-alagoas
Mutum-de-Alagoas, ave símbolo do estado de Alagoas
8 – Sergipe: Corrupião (Icterus jamacaii)

O corrupião é a ave símbolo do estado do Sergipe. Mede até 26 centímetros e come frutas, sementes e pequenos invertebrados. Essa espécie nem sempre constrói seus ninhos, e pode ser visto chocando seus ovos em ninhos feitos por outras aves, após remover os ovos e filhotes delas. Além das cores vibrantes, os corrupiões chamam atenção pela sua vocalização, que é muito bonita.

Foto de um corrupião
Corrupião, ave símbolo do estado do Sergipe

Centro-Oeste

9 – Mato do Grosso do Sul: Tuiuiú (Jabiru mycteria)

O tuiuiú (Jabiru mycteria) pode ser encontrado em vários estados brasileiros, principalmente no Mato Grosso do Sul, onde é considerado ave símbolo. Chega a medir até 1,60 metros de altura e 3 metros da ponta de uma asa à outra! Se alimenta de peixes, moluscos e répteis. Na época reprodutiva, constrói grandes ninhos no alto das árvores.

Foto de um tuiuiú se alimentando
Tuiuiú, ave símbolo do Mato Grosso do Sul. Foto: Renato Grimm, retirada do WikiAves
10 – Goiás: anhuma (Anhima cornuta)

A anhuma é a ave símbolo do estado de Goiás, e pode ser encontrada em vários estados do Brasil. Pode medir 80 centímetros de altura e de uma ponta da asa a outra pode chegar até 170 centímetros, pesando em média 3 quilos. Alimenta-se de plantas aquáticas, capins, artrópodes e pequenos animais. Tem o hábito de fazer seus ninhos em brejos, botando de 2 a 3 ovos, onde o macho e a fêmea se revezam para cuidar dos ovos.

Foto de uma anhuma
Anhuma, ave-símbolo do estado do Goiás

Sudeste 

11 – Minas Gerais: Seriema (Cariama cristata)

Pode ser encontrada em várias regiões do país, geralmente em áreas abertas como campos e pastagens. Um fato muito interessante sobre as seriemas é que, quando estão fugindo de algo, podem atingir até 50 km/h!

A seriema cumpre um papel importantíssimo de controle biológico, se alimentando de larvas, cascudos, lagartos, lagartixas, sapos, ratos e cobras, além de consumir ovos, grãos e frutos. Para matar a presa, a seriema agarra o animal pelo bico, agita e bate no chão.

Seu canto lembra uma risada, o que ajuda as seriemas a se comunicarem a mais de 1 quilômetro de distância!

Foto de uma seriema
Seriema, ave símbolo do estado de Minas Gerais
12 – Espírito Santo: Beija-flor-de-orelha-violeta (Colibri serrirostris)

O beija-flor-de-orelha-violeta é a ave símbolo do estado do Espírito Santo, também conhecido como beija-flor-do-canto ou colibri-de-canto. Essa linda ave é um dos beija-flores mais comuns do Brasil, encontrado em Minas Gerais, Bahia, Mato Grosso, Goiás, Rondônia e Brasília. Pode ser avistado em bordas de florestas, campos, cidades, parques e jardins.

Mede em torno de 15 centímetros e há diferença de coloração entre machos e fêmeas. O macho é verde, com uma mancha azul atrás do olho e penas roxas perto dos ouvidos, já a fêmea é um pouco menor e menos vistosa, não apresentando a orelha violeta. Os filhotes são marrons, com leves tons de verde.

A fêmea costuma chocar os ovos, mas é o macho quem faz o ninho. Esse ninho se parece com uma cestinha redonda, feita com gravetos, teias de aranha e até papéis encontrados no chão! Essa é uma espécie muito territorialista, que defende agressivamente suas flores.

Foto de um beija-flor empoleirado em um galho fino
Beija-flor-de-orelha-violeta, ave símbolo do estado de Espírito Santo. Foto: Luiz Ribenboim, retirada do WikiAves
13 – Rio de Janeiro: Tucano-do-papo-amarelo (Ramphastos vitellinus)

O tucano-do-papo-amarelo é a ave símbolo do estado do Rio de Janeiro.  E como a maior parte dos tucanos, esse também se alimenta de frutos, cupins, aranhas, ovos, filhotes de outras aves, anfíbios e morcegos, e ainda gosta de beber a água armazenada no interior de bromélias. Seu bico é extremamente leve, pois é feito de um tecido poroso e esponjoso e mesmo assim consegue usá-lo para quebrar a casca de frutos.

Comum na copa de florestas úmidas, tanto em seu interior quanto nas bordas. Vivem em bandos, mas não muito grandes, sendo que esses indivíduos dormem todos juntos.

Por conta de suas cores vibrantes, os tucanos sofrem com a captura para manter o tráfico de animais. Além disso, o desmatamento também contribui para que a espécie seja considerada Vulnerável (VU) à extinção pela UICN (União Internacional para Conservação da Natureza).

Foto de um tucano-de-papo-amarelo
Tucano-de-papo-amarelo ave símbolo do estado do Rio de Janeiro. Foto: Leonardo Casadei, retirada do WikiAves
14 – São Paulo: Sabiá-laranjeira (Turdus rufiventris)

Símbolo do estado de São Paulo, o sabiá-laranjeira pode fazer ninhos em beirais de casas, utilizando gravetos, com lama por fora e capim dentro. Seu canto é semelhante ao som de uma flauta, sendo que é mais frequente na época da reprodução, durante a primavera e verão.

Assim como outros sabiás, o laranjeira  alimenta-se de insetos, minhocas, frutos e coquinhos de palmeiras, ajudando a dispersar suas sementes.

Foto de um sabiá-larajeira sobre o tronco de uma árvore
Sabiá-laranjeira, ave símbolo do estado de São Paulo. Foto: Leonardo Casadei, retirada do WikiAves

Sul

15 – Paraná: Gralha-azul (Cyanocorax caeruleus)

O símbolo do Paraná é a gralha-azul. Ela contribui com a dispersão de sementes das árvores de araucária, mas não se alimenta apenas de pinhões, podendo consumir insetos e frutos. A espécie habita desde o sul do Rio de Janeiro até o Rio Grande do Sul.

Foto de uma gralha-azul sobre um tronco de madeira
Gralha-azul, ave símbolo do estado do Paraná
16 – Santa Catarina: Araponga (Procnias nudicollis)

A araponga é uma ave migratória, que pode ser encontrada de Pernambuco ao Rio Grande do Sul. Elas se alimentam de insetos e frutos, ajudando a dispersar as sementes e a plantar árvores frutíferas. A espécie está ameaçada de extinção por conta do desmatamento e da captura ilegal. A araponga foi escolhida como ave símbolo de Santa Catarina, por conta do seu canto metálico que representa o povo trabalhador.

Foto de uma araponga empoleirada em um galho fino de árvore
Araponga, ave símbolo de Santa Catarina
17 – Rio Grande do Sul: Quero-quero (Vanellus chilensi)

O quero-quero mede cerca de 37 cm, se alimenta de insetos, caracóis e invertebrados aquáticos. Na época reprodutiva põe de 3 a 4 ovos diretamente no solo, que possuem manchas marrons para ficarem bem camuflados.

Quando está próximo de seu ninho, se torna agressivo para defendê-lo! Por isso, é sempre importante manter distância e respeitá-la. Mesmo ocorrendo em todo o Brasil, o quero-quero foi escolhido para ave símbolo do Rio Grande do Sul por ser um sentinela, estando sempre alerta para defender seu território.

Foto de um quero-quero andando
Quero-quero, ave-símbolo do Rio Grande do Sul

Aqui no Parque das Aves, em Foz do Iguaçu, localizado ao lado das Cataratas brasileira, você pode ficar bem pertinho de algumas dessas espécies! Venha nos visitar e conhecer as aves da Mata Atlântica.