Saiba como trabalha a Educação Ambiental do Parque das Aves

O Departamento de Educação Ambiental é responsável por desenvolver programas educativos específicos para os diversos públicos que visitam o Parque das Aves, conectando-os com a Mata Atlântica.

Nosso departamento cria e executa atividades como formação de professores, atendimento diário aos visitantes, trilhas educativas para grupos escolares, projetos de ciência cidadã com comunidades, organização de um clube de conservação para crianças e de colônias de férias. Também participamos de um grupo de educomunicação e desenvolvemos textos educativos para as nossas redes sociais, como esse que você está lendo agora. Além disso, mantemos um curso de formação continuada para os membros do departamento, como o objetivo de aperfeiçoar nossas atividades educativas.

Educadora ambiental realizando uma trilha com crianças
Roteiro “Conhecendo a Mata Atlântica”, pensado especialmente para crianças do Ensino Fundamental Il

Levamos em consideração o embasamento teórico da educação ambiental crítica, que se preocupa em vincular questões ambientais, como cultura, educação, classe social, instituições, família, gênero, etnia e nacionalidade. Também a necessidade de mudar atitudes, habilidades e valores.

O departamento possui mais de 35 membros, entre coordenadora, assistentes, educadores ambientais, mediadores ambientais e estagiários.

Equipe de Educação Ambiental reunidos para uma fotografia
Equipe do Departamento de Educação Ambiental

Os mediadores ambientais têm um papel fundamental, pois estão sempre presentes na trilha do Parque, disponíveis para tirar dúvidas, dar orientações, cuidar do bem-estar dos visitantes e animais nos recintos. Eles facilitam a compreensão do público sobre os hábitos dos animais e as questões ambientais relacionadas a eles. Como recebemos cerca de 830 mil visitantes por ano, é fundamental que vocês tenham com quem buscar esclarecimentos e informações quando sentirem que é necessário.

Uma mediadora de trilha auxilia uma visitante na trilha
Os mediadores ambientais são fundamentais para que os visitantes possam saber mais detalhes sobre os animais durante a trilha do Parque das Aves

Os educadores criam atividades educativas e roteiros pedagógicos que são aplicados com escolas, grupos e visitantes individuais, como exposições, jogos, visitas e oficinas. Todos os anos, recebemos cerca de 30 mil alunos em grupos escolares, sendo que as visitas de escolas públicas da cidade de Foz do Iguaçu são gratuitas. Nossos programas de educação são baseados em pesquisa, e estamos constantemente pensando em maneiras de atualizar e aperfeiçoar as atividades para que se tornem cada vez mais eficazes.

Uma educadora ambiental mostra formigas em uma árvore para uma visitante
As exposições educativas ao longo da trilha são importantes momentos de interação entre o público e a equipe de Educação Ambiental

Além dos mediadores e educadores, as assistentes (administrativa e pedagógica) dão suporte à coordenadora do departamento para que todas essas atividades sejam planejadas e desempenhadas com qualidade e eficácia.

Também estão presentes na equipe de Educação Ambiental os monitores de programas especiais e treinadores de animais, que são responsáveis pelos roteiros de experiência, como o Backstage Experience e o Forest Experience.

Uma jovem alimenta um flamingo
Backstage, um dos programas especiais do Parque das Aves, realizado por colaboradores do Departamento de Educação Ambiental

Mas, como as atividades realizadas pelo departamento são criadas?

Inicialmente, os educadores começam o planejamento das atividades com um objetivo em mente. Coletivamente, dialogamos, desenhamos as atividades e verificamos se a proposta educativa está respondendo ao objetivo escolhido.

Buscamos incluir três dimensões em nossas atividades educativas: conhecimento, valores e engajamento. A dimensão do conhecimento,  se refere às informações contidas naquela atividade educativa, a dimensão do engajamento, se refere às ações que eles podem tomar para ajudar a solucionar aquele problema ambiental e a  dimensão de valores, que se refere aos princípios que queremos despertar e incentivar nas pessoas (empatia com a natureza, respeito, responsabilidade, ética, entre outros). Essa forma de trabalhar nos permite criar atividades que são mais completas e proporcionam uma conexão mais profunda com os temas abordados.

Uma mão com o dedo indicador esticado aponta para a foto de um papagaio-de-peito-roxo sobre a mesa
As atividades de Educação Ambiental precisam incluir três aspectos importantes: conhecimento, engajamento e valores

A ênfase normalmente é dada para as espécies presentes no Parque que estão mais ameaçadas de extinção e precisam de mais atenção, como a jacutinga (Aburria jacutinga), o mutum-de-alagoas (Pauxi mitu) e diversas espécies de papagaios.

Validamos as atividades em conjunto, executamos e então trocamos ideias sobre que aspectos das atividades funcionaram ou não, para assim aperfeiçoá-las.

Em nossa equipe, temos pessoas trazendo visões de diferentes áreas, como a biologia, engenharia ambiental, gestão ambiental, psicologia, turismo, história, geografia e química. Inclusive, já fizemos um texto falando sobre a importância dessas formações. Essa variedade de olhares ajuda muito a construirmos atividades que incluam diferentes aspectos sociais, ambientais, econômicos e éticos. E a combinação de saberes proporciona atividades mais ricas, que trazem olhares que se complementam.

Quando você for visitar o Parque das Aves, localizado em Foz do Iguaçu, ao lado das Cataratas do Iguaçu, tire um tempinho para conversar com os mediadores de trilha, e se houver alguma atividade educativa acontecendo, aproveite para participar! Afinal, todas essas interações são especialmente pensadas para você!