Conheça 4 maneiras de salvar as abelhas

No mundo, existem mais de 20 mil espécies de abelhas, que são importantes polinizadores, responsáveis por ajudar na reprodução das plantas e aumentar a produtividade das lavouras. Uma colônia de abelhas pode polinizar 300 milhões de flores por dia! Por isso, é muito importante proteger as abelhas. E para comemorar o Dia das Abelhas, queremos compartilhar 4 maneiras que você pode ajudá-las!

Jataí, uma das 200 espécies de abelhas nativas do Brasil, a maior parte delas inofensivas, por não terem ferrão. Fonte: Site – Abelhas Jataí

1. Plante flores

A abelha mais conhecida do mundo é a abelha africana (Apis mellifera), conhecida pela produção de mel e suas colmeias. Porém, diferentemente do que muita gente acredita, 85% das abelhas são solitárias e vivem em ocos de madeira e no solo.

Por isso, as abelhas precisam de locais seguros para se abrigar. Então, se você tiver um jardim, deixe uma pequena porção dele sem corte de grama. Gramados extensos são como desertos para as abelhas e mesmo uma área menor sem corte de grama fará muita diferença. Além disso, as chamadas “ervas daninhas” também alimentam abelhas!

Caso tenha espaço, plante árvores, que são muito importantes para as abelhas, já que oferecem abrigo, áreas de sombra e flores de onde elas podem tirar o néctar.

Jardins de polinização ajudam a manter as abelhas saudáveis em meio às cidades. Foto: The Xerces Society for Invertebrate Conservation

Mas você não precisa necessariamente ter um jardim para ajudar as abelhas: canteiros de janela ou sacada, vasos pequenos de parede ou vasos pendurados com suportes podem contribuir muito para ajudar as abelhas! O importante é escolher as espécies corretas.

Uma simples floreira na janela pode fazer muita diferença para as abelhas. Foto: Site – Da Horta Pra Panela

Temperinhos que abelhas apreciam:

Manjericão, manjerona, menta, funcho, hortelã, borragem, coentro, erva-de-gato, cebolinha, sálvia, alecrim, lavanda,  orégano, erva-cidreira, açafrão e tomilho.

Flores que as abelhas adoram:

Abelhas são atraídas por flores ricas em néctar, principalmente nas cores azul, roxo, laranja, branca e amarela. Porém, não são tão atraídas pelas vermelhas, porque enxergam o vermelho como cinza.

Espécies indicadas:

Trevos, ranúnculo, áster, malva, anêmona, calêndula, campânula, dente-de-leão, gerânio, papoula, girassol, zínia, heliotrópio, alisso, margarida, cravo-de-defunto, borragem, dente de leão.

Árvores que as abelhas visitam:

Árvores de goiaba, jabuticaba, laranja, pitanga, abacate, lichia, capixingui, guanxuma e palmeiras.

As abelhas se interessam por plantas azuis, como a sálvia-azul (Salvia guaranitica). Foto: Hernán Tolosa

2 . Apoie os apicultores

Os apicultores são muito importantes para a proteção das abelhas: além de possuírem muito conhecimento para compartilhar sobre esses insetos, podem ser chamados para resgatar colmeias em locais muito próximos a humanos (marquises, churrasqueiras, caixas de força) e também criam meliponários de abelhas nativas sem ferrão. Reconheça a importância desses profissionais e incentive comprando mel e produtos com cera de abelha (velas, sabonetes e panos encerados) de apicultor da sua região.

Para ajudar a conservar as abelhas, apoie os apicultores locais e seus produtos. Foto: Blog – Meliponários Abelhas do Sul

3. Cuidado com os inseticidas

Como o próprio nome indica, esses químicos foram criados para matar insetos. Por isso, causam danos fisiológicos nas abelhas (como aumento do tempo necessário para atingir a fase adulta e má-formação das células da colmeia), além de perturbações nos padrões de alimentação e interferência no comportamento.

Está cada vez mais evidente que os inseticidas, aplicados em concentrações tidas como “normais”, exercem efeitos prejudiciais às abelhas a nível individual e de colônia.  Por conta desses produtos, apenas de 2018 para 2019, morreram mais de meio milhão de abelhas em nosso país.

A mortalidade de abelhas por conta dos agrotóxicos é um grande problema, que se estende para toda a flora e fauna da Mata Atlântica. Fonte: Stefano Carella

E não são apenas os inseticidas: diversos fungicidas, herbicidas, pesticidas, e fertilizantes também são prejudiciais às abelhas. As abelhas também estão ameaçadas pela perda de locais de alimentação devido às grandes monoculturas.

Para ajudar, evite inseticidas na sua propriedade, seja um pequeno jardim ou uma fazenda. Uma ideia inteligente é proteger os louva-a-deuses, joaninhas e aranhas do seu jardim, pois eles mantêm insetos-praga sob controle.

Além disso, privilegie os alimentos cultivados sem veneno. Vale a pena buscar os pequenos agricultores da sua região, ou procurar serviços de entrega de vegetais em casa já contam com itens orgânicos).

Incentive a conservação das abelhas dando preferência para alimentos orgânicos. Foto: Site – Diario de Gastronomía

4. Conheça alguns projetos que ajudam na preservação das espécies nativas

Apoie projetos que trabalham pela proteção das abelhas! O SOS Abelhas sem Ferrão é um exemplo: atua educando comunidades, publicando pesquisas, plantando espécies amigas das abelhas, resgatando colmeias e criando meliponários coletivos para abelhas sem ferrão.

Imagem de divulgação do Projeto SOS Abelhas Sem Ferrão
Projeto SOS Abelhas Sem Ferrão. Foto: Site

O projeto Jardins de Mel traz para a cidade de Curitiba, capital paranaense, a importância e os benefícios  das abelhas nativas sem ferrão. Caixas com colmeias de abelhas nativas, de cinco espécies diferentes, foram colocadas em alguns parques, praças, escolas e hortas comunitárias do município da cidade.

Crianças conhecendo sobre o projeto. Foto: Acervo Prefeitura de Curitiba

Lembre-se: a vida depende das abelhas! Compartilhe essas informações sobre abelhas com seus amigos, para que mais gente possa ajudar a protegê-las!

Foto de capa: Abelha em uma flor. Foto: Julio Pupim