BASTIDORES DO PARQUE | CORUJA-ORELHUDA RETORNA À NATUREZA

Numa parceria entre o Parque das Aves e a Polícia Ambiental, uma coruja-orelhuda foi devolvida à natureza nessa terça-feira, 6 de dezembro. A soltura foi feita na mata do Parque das Aves pela Diretora Técnica, Yara Barros, com o acompanhamento de dois policiais.

dsc_5644
Pausa para discutir os últimos detalhes da soltura. (agentes da Polícia Ambiental e nossa Diretora Técnica, Dra. Yara Barros, o Dr. Crosta, que presta consultoria ao Parque, e Ligia Oliva, veterinária do Parque).

A soltura ocorreu no final da tarde, principalmente porque a ave tem hábitos crepusculares. A caixa de transporte foi levada até o início da mata, e a portinha foi aberta. A princípio, a coruja ficou um pouco tímida, desconfiada. Mas logo mais criou coragem, botou a cabeça pra fora e ficou no chão. Ao se deparar com várias pessoas assistindo à cena, ela logo armou suas penas, em sinal de defesa. E após mais alguns minutos investigando a região, ela alçou voo em direção às árvores. Depois voou novamente, para outra árvore mais longe, e logo desapareceu. “É muito bacana podermos devolver para a natureza uma ave que nós reabilitamos”, comentou Yara.

dsc_5655
Caminhada em meio à mata.

A coruja foi encontrada por moradores na região, no dia 16 de novembro. A gerente de um hotel local contatou a Polícia Ambiental, informando que o animal poderia estar machucado, mas que parecia bastante manso e estava entrando nas residências de alguns moradores da região. A polícia então foi até o local para ver as condições da ave e decidiu trazê-la ao Parque das Aves, para que os veterinários pudessem avaliá-la e fazer o devidos procedimentos.

dsc_5670
É hora de abrir as asas e voltar à natureza.

Ao ser recebida no Parque, a Polícia informou que a coruja deveria ser mansa, segundo os relatos dos moradores. Mas os veterinários do Parque das Aves logo perceberam que a coruja na verdade era selvagem, pois durante o período de recuperação mostrou um comportamento muito agressivo. O que na verdade é bom e saudável para sua sobrevivência na natureza. A veterinária Ligia Oliva, que ficou responsável pelos cuidados da ave, suspeitou que o comportamento dócil da coruja ao ser encontrada talvez fosse devido a ela ter batido a cabeça e ficado um pouco desorientada. “É importante que as pessoas liguem imediatamente para a Polícia Ambiental se encontrarem uma ave de rapina desse porte, pois uma tentativa de aproximação pode ser perigosa para elas e para a ave”, reforça Ligia.

dsc_5699
A coruja saiu e ficou no chão, observando o grupo que a observava.

Após realizar todos os exames e observar sua recuperação por alguns dias para verificar se a coruja estava saudável e em condições para retornar à natureza, o Parque das Aves entrou em contato com a Polícia Ambiental para que a soltura fosse realizada.

dsc_5705
Depois de ficar de investigar a região por alguns minutos, a coruja alçou voo.

A coruja-orelhuda (Asio clamator) é uma ave encontrada em todo o território brasileiro. De hábitos noturnos, é encontrada em áreas abertas, campos de árvores e arbustos, cerrados, caatingas e cidades.